As Muitas Faces Da Coroa
 

As Três Viúvas
 

Bagagem     
 

Casamento
 

Cinco Sentidos Sem Nenhum Sentido
 

Coisas Da Minha Terra I - O Infeliz Do Meu Compadre    
 

Coisas Da Minha Terra II - Campeão Da Cara Feia     
 

Coisas Da Minha Terra III - Ninguém Foge Do Destino     
 

Coisas Da Minha Terra IV - "Sodadi do Falicido"     
 

Coisas Da Minha Terra V - Homem Ideal     
 

Coisas Da Minha Terra VI - Assombração no Bairro Mobumquinha     
 

Cordel Censurado         
 

Cordel Da Festa Da Gui          
 

Cordel Da Festa Da Sapeka          
 

Cordel Da Paz           
 

Cordel Do Safari Em Santos         
 

É Curpa do Prisidente     
 

Garanhão Fim de Carreira
 

Juízo Final
 

O Bem e O Mal
 

Salvem Minha Vizinha     
 

 

 Saiba mais sobre a Literatura de Cordel no fim desta página

 

 

Pesquisa personalizada

 

Principal

Assinar o Livro de Visitas

 

Gostou? Recomende à um Amigo!!

 

Escreva-nos. Sua opinião é importante

 

©Amor Em Verso E Prosa ®
Dani Penhabe
® Webmaster
© Copyright - Mensagens - Terezinha A. Penhabe®

Santos, SP - Brasil
© Copyright 2006
Todos os direitos reservados ®.

 

Conheça a Literatura de Cordel

Literatura popular, impressa em forma de versos, apresentada em pequenos folhetos que trazem histórias fantásticas saídas da imaginação dos seus criadores ("A Mãe que Xingou o Filho no Ventre e ele Nasceu com Chifre e com Rabo") ou relatam tragédias ("As Enchentes no Brasil no Ano 74"), fatos históricos ("A Guerra de Canudos") etc.

Os folhetos são livrinhos de 4 por 6 polegadas, impressos em papel barato e geralmente têm a capa ilustrada por uma xilogravura. Por muito tempo, esses folhetos foram a única fonte de informação e divertimento da população mais pobre do Nordeste e ainda hoje eles são encontrados em feiras-livres e mercados populares.

O termo Literatura de Cordel deve-se ao fato de que os folhetos ficavam expostos à venda pendurados num barbante (cordão, cordel). A origem do folheto de Cordel, segundo Luís da Câmara Cascudo, deve-se à iniciativa dos cantadores de viola em imprimir e vender a sua poesia e à "adaptação à poesia das histórias em prosa que vieram de Portugal e da Espanha".

Em Portugal, o folheto era conhecido por "Literatura de Cego", devido a uma lei promulgada por Dom João VI que limitava a sua venda à Irmandade do Menino Jesus dos Homens Cegos de Lisboa.

O folheto em Portugal era escrito em forma de prosa. Ao chegar ao Brasil, passou a ser escrito em sextilhas de versos de sete sílabas. O primeiro brasileiro a publicar um romance de Cordel foi, provavelmente, Sílvio Pirauá (1848/1913), famoso cantador de viola paraibano.

Os poetas populares do Nordeste dividem a Literatura de Cordel em dois tipos: Romance (ficção) e Folheto de Época (narrativa de fatos).

fonte: http://www.pousadapeter.com.br