Ciranda em homenagem ao poeta e compositor, Vinicius de Moraes.
Marcus Vinitius da Cruz e Mello Moraes, nasceu em 19/10/1913, na Rua Lopes Quintas, 114 — bairro da Gávea, na Cidade Maravilhosa. Desde cedo demonstra seu pendor para a poesia. Aos nove anos de idade parece que pressente o poeta: vai, com a irmã Lygia ao cartório na Rua São José, centro do Rio, e altera seu nome para Vinicius de Moraes. Filho de Clodoaldo Pereira da Silva Moraes, poeta bissexto e de Lydia Cruz de Moraes, que, dentre outras qualidades, era exímia pianista, Vinicius cresce morando em diversos bairros do Rio, infância e juventude depois contadas em seus versos, que refletiam o pensamento da geração de 1940 em diante. Inconstante no amor (seus biógrafos dizem que teve, oficialmente, 09 mulheres), um dia foi questionado pelo parceiro Tom Jobim: "Afinal, poetinha, quantas vezes você vai se casar?". Num improviso de sabedoria, Vinicius respondeu: "Quantas forem necessárias."  Morre, na manhã de 09 de julho de 1980, de edema pulmonar, em sua casa na Gávea, em companhia de Toquinho e de sua última mulher.

A Arca de Noé
Vinícius De Moraes

Sete em cores, de repente
O arco-íris se desata
Na água límpida e contente
Do ribeirinho da mata.

O sol, ao véu transparente
Da chuva de ouro e de prata
Resplandece resplendente
No céu, no chão, na cascata.

E abre-se a porta da Arca
De par em par: surgem francas
A alegria e as barbas brancas
Do prudente patriarca

Noé, o inventor da uva
E que, por justo e temente
Jeová, clementemente
Salvou da praga da chuva.

Tão verde se altéia a serra
Pelas planuras vizinhas
Que diz Noé: "Boa terra
Para plantar minhas vinhas!"

E sai levando a família
A ver; enquanto, em bonança
Colorida maravilha
Brilha o arco da aliança.

Ora vai, na porta aberta
De repente, vacilante
Surge lenta, longa e incerta
Uma tromba de elefante.

E logo após, no buraco
De uma janela, aparece
Uma cara de macaco
Que espia e desaparece.

Enquanto, entre as altas vigas
Das janelinhas do sótão
Duas girafas amigas
De fora a cabeça botam.

Grita uma arara, e se escuta
De dentro um miado e um zurro
Late um cachorro em disputa
Com um gato, escouceia um burro.

A Arca desconjuntada
Parece que vai ruir
Aos pulos da bicharada
Toda querendo sair.

Vai! Não vai! Quem vai primeiro?
As aves, por mais espertas
Saem voando ligeiro
Pelas janelas abertas.

Enquanto, em grande atropelo
Junto à porta de saída
Lutam os bichos de pelo
Pela terra prometida.

"Os bosques são todos meus!"
Ruge soberbo o leão
"Também sou filho de Deus!"
Um protesta; e o tigre — "Não!"

Afinal, e não sem custo
Em longa fila, aos casais
Uns com raiva, outros com susto
Vão saindo os animais.

Os maiores vêm à frente
Trazendo a cabeça erguida
E os fracos, humildemente
Vêm atrás, como na vida.

Conduzidos por Noé
Ei-los em terra benquista
Que passam, passam até
Onde a vista não avista

Na serra o arco-íris se esvai . . .
E . . . desde que houve essa história
Quando o véu da noite cai
Na terra, e os astros em glória

Enchem o céu de seus caprichos
É doce ouvir na calada
A fala mansa dos bichos
Na terra repovoada.

    Participantes:

01- Beatriz por um triz*
02- Tere Penhabe
03- Augusta Schimidt
04- Marisa Francisco
05- Maurício Santanelli
06- Regina Bertoccelli
07- Ivone Zouain Zuppo
08- Marcial Salaverry
09- Arneyde T. Marcheschi
10- Maria Isabel Galveias_Lylybety
11- Armando Sousa
12- Margaret Pelicano
13- Nelim Monti
14- Mário Osny Rosa
15- Maria Anjinha
16- Machado de Carlos
17- *Emiele*
18- Rejane Pino
19- gina
20- Natália Vale
21- Thereza Mattos
22- faffi_(Silvia Giovatto)
23- Sueli do Espirito Santo
24- Jorge Linhaça
25- Tânia Ailene
26- Marise Ribeiro
27- João de Assis
28- Marcos Milhazes***
29- Naidaterra
30- Joyce – Lu@zul
31- Maria Thereza Neves
32- © Noris Roberts
33- Eliane Gonçalves*** 
34- Valeriano Luiz da Silva
35- Célia Jardim
36- Maria Augusta Christo de Gouvêa
37- Afonsina Pais
38- Yara Nazaré
39- zuleika
40- Maria Mercedes Paiva
41- Maria da Fonseca
42- Ilona Bastos
43- Bernardino Matos
44- Graça Ribeiro
45- Schyrlei Pinheiro
46- Célia Lamounier
47- Eda Carneiro da Rocha
48- Fatyly
49- Pilar Casagrande
50- Regina Ribeiro
51- Faiçal Tannus 
52- Tarcísio R. Costa
53- Vyrena
54- Renate Emanuele
55- Thais S Francisco "beijaflor"
56- Maria Petronilho
57- nancy pimentel
58- Abilio Terra Junior
59- Nadir A D’Onofrio
60- Raquel Caminha (Lindinha)
61- Laura B. Martins
62- ©Jade Dantas
63- Regina Sant'Anna
64- MaséFrota
65- Rosa Magaly Guimarães Lucas_Eire

 

01- Como uma borboleta
Beatriz por um triz*

Como uma borboleta, voei a seu lado.
Estive em todos os cantos do mundo .
Viví todos os contos de amor.

Nessa viagem mágica
pude sentir o gosto doce da liberdade,
a sensação da paz tão cristalina
quanto a água que nos banhou.

Como uma borboleta,
pousei em flores e fartei-me de seus odores.
Cintilei com os pirilampos
nos campos da imaginação.

Como uma borboleta,
talvez de cristal,
dissipei-me no espaço
em infinitos estilhaços
quando me perdi de você.

02- Como uma Tigresa
Tere Penhabe

Como uma tigresa, eu lhe conheci
arrombei minhas muralhas
para lhe encontrar...amar você...
caminhando solitária na floresta densa.

Não desisti de compreendê-lo
só porque era difícil, tal qual uma tigresa
segui em frente, lambendo-lhe as feridas
balsamizando-lhe a alma sem cansar...

Como uma tigresa, corri pelos prados com você
busquei os horizontes na caça à vida
dormi sob as estrelas, vi nascer muitos dias
esgueiramos camuflados pelas longas trilhas...

Como uma tigresa, dei-lhe a cria que tanto queria
mas o mundo hostil a arrebatou de nós
deixamos viver nossas dores, que cada um sentia
mantivemos nosso porte altivo e invencível...

Como uma tigresa também, que eu vi amanhecer
aquele que seria um lindo dia, de repente escureceu
nas trevas do desamor, da cumplicidade não sentida
deixou-me só, a lamber minhas próprias feridas...

...como uma tigresa...

Santos, 21.08.2005

03- Como um beija-flor
Augusta Schimidt

Como um beija-flor
Ávido de ternura
Bailo pela vida
A procura de um amor
 
Como um beija-flor
Busco o néctar das flores
Para distribui-las doces
Aos amigos conquistados
 
Como um beija-flor
Colorido com as cores do arco-íris
Desenho matizes no ar
De cores que fazem sonhar
 
Como um beija-flor
Traço versos de desejos
Levo nas asas o que almejo
E deposito nas flores
O perfume da paz
 
Campinas/22/08/05_10.30hs
www.augustaschimidt.prosaeverso.net

04- Como uma gata!!!
Marisa Francisco

Como uma gata,
entre o pulo e a entrega,
lambi minhas patas,
afiei minhas unhas,
só esperando qual seria
a melhor atitude...
Tomei um banho gostoso,
olhei com carinho
do fundo de minha desconfiança,
penetrei em teus olhos,
na alma de tua criança,
cativei...
Continuei meu banhinho,
agora mais de pertinho,
ainda meio cismada
mas já com um ronquinho
aqui dentro dizendo baixinho:
-Amorrrrr...Amorrrrrr...
Parei tudo!
Dei uma espreguiçada...
Ronrom...
Pulei no teu peito!

marisafrancisco@terra.com.br

05- Como uma Águia...
Maurício Santanelli

Tal qual uma águia de ouro... eu sou uma ave altiva e real
Cingrando o azul dos céus, eu cruzo por sobre os sete mares...
Sentindo-me sempre acima do bem e também, acima do mal
Parto, buscando descobrir os mais exóticos e longínquos lugares...

As minhas asas são fortes, e o meu vôo encanta e impressiona
Eu descubro outros nortes, e eu invento outros novos itinerários...
A busca do novo, meu peito anseia e então minhas asas impulsiona
Ser um desbravador dos céus, é o meu postulado e  os meus corolários...

Tal qual uma águia do reino, eu disponho de real título de nobreza...
Sou amada e respeitada  pelo gavião... pelo condor... pelo falcão...
Sou ave admirada e quiçá  eu seja até invejada, pela minha beleza,
Pela minha independência, pela minha força, e pela minha obstinação.

Tal como uma águia sou por instinto, uma ave predadora...
Perseguindo  alimentos, afágos, carícias...  é, eu busco  carinhos
E a fugir desta insônia crônica, tão cruel e  tão ameaçadora...
Em solitários vôos noturnos, busco o aconchego de outros ninhos...

Tal qual uma águia, sou ave caçadora, sou uma ave de rapina...
Sou ave seletiva, escolho sempre com muito esmero a minha caça...
Sou ave que amedronta, mas ao mesmo tempo, envolve e fascina
Sou ave de fogo, sou ave ardente, mas que queima sem fazer fumaça

Tal qual uma águia, sou dotado de  visão extremamente apurada...
E meu ataque é rasante... decidido... infalivelmente certeiro..
Inerte, a minha presa , mais do que indefesa,  se sente  encantada
E às minhas garras se entrega, de coração, de alma, de corpo inteiro...

E assim que tenho a fome saciada, regresso dessas minhas viagens
E vou me postar imponente, no cume da mais elevada das montanhas...
De onde eu  fico a contemplar as mais amplas e longínquas paisagens..
E onde eu fico serenamente a arquitetar, as minhas próximas façanhas!!!

Campinas, 30/08/2005
andarilho2005@uol.com.br

06- Como uma Cachorrinha
Regina Bertoccelli

Como uma cachorrinha meiga e carinhosa,
quero sempre desfrutar do teu colo
Quero sentir as tuas mãos em toques
suaves o  meu corpo percorrer
Quero me sentir amada e desejada
Ao te fazer criança quando em brincadeiras
nos envolvermos, quero o teu
riso solto, ecoando no ar
Companheira fiel serei eternamente,
e amor maior que o meu você
não encontrará
Quando triste você estiver e as
lágrimas banharem a tua face,
deixe que minha língua macia as seque
Quietinha no aconchego de teus braços
prometo ficar...
E nas madrugadas longas e frias,
quero me aninhar ao teu corpo,
sentindo o teu calor
E na paz do meu coração,
alojarei a tua alma...

SP/Capital
01/09/05

07- Como um Cisne...
Ivone Zouain Zuppo

Como um cisne
Deslizo nas águas mansas
Olhando o céu refletido
No espelho do meu lago
Vejo a linda imagem
De quem fez  parceria
Com este meu pulsar
Sou do amor,a fidelidade
Sou o eterno sentimento
Que se cala quando só
Ou canta seu doce alento
De ter aprendido a amar

BH_03/09/2005

08- El Condor Pasa
Marcial Salaverry

Soy como el condor,
que respeta a todos,
y quiere que los respeten...
El condor en su vuelo,
siempre se destaca
entre las otras aves...
El condor es el cazador,
que vuela más alto,
siempre buscando su presa...
Y solo caza para se alimentar,
y no por el placer de matar...
Nadie ni nada lo intimida...
Es la más imponente de las aves...
Los hombres que tienen
el espiritu del condor,
no se dejan incomodar
por aquellos que son menores...
Que vuelan abajo,
e que intentan derrubarlo...
Asi es la vida...
Los envidiosos no pueden soportar
el condor en sua vuelo majestoso...
Como no llegan adonde
el va en su vuelo,
solo desean su caida...
Pobres envidiosos...
El condor sigue volando...
Nadie ni nada lo derruban...

09- Sou pássaro ferido
Arneyde T. Marcheschi

Sou um pássaro ferido
perdido pelo horizonte
abatido,entristecido

deixo-me levar
sem direção
pelo vento
a procura de abrigo.
Sim,estou em busca dessa
cura...desse balsamo

que me agasalhe em noites
frias....sombrias.
Vou em busca da liberdade
voando solitaria
tentando escutar as batidas do
meu coração,e por ele se
deixar guiar.
Sou pássaro ferido
em busca de amor de ternura
em busca de companhia.
Perdido no horizonte
alço voos imaginarios
nesse imenso infinito.
Sou condor
Sou beija-flor
Mas hoje encontrei meu ninho,
e não estou mais sozinha.
Vivo uma realidade marcante,doce
viva, cheia de emoções,onde
nossa essencia, será a aura
mágica e eterna do nosso amor!
Onde pousarei meus sonhos.

Vitoria. E.santo 2002
www.vidatransparente.com.br

10- Sem Rumo_(Como Gaivota)
Maria Isabel Galveias_Lylybety

Ao correr da pena, vou escrevendo,
Meu rosário de penas, desfiando,
Com a morbidez duma alma ferida,
Sinto, que p´lo destino, fui traída

Minha voz, tenho sempre de calar...
Meus sentimentos, recalcar...
Deste modo, me consumo e me apago,
Como em cinza, se consome, o meu cigarro.

Como um barco, sem rumo, nem vela,
Perdido, no mal alto da vida, tenebroso...
Sem búsula que me guie, sem uma estrela,

No céu azul escuro, tempestuoso,
Como gaivota ferida, numa asa,
Que não encontra o caminho, para casa...

11- Eu era um UFO
Armando Sousa

Não entrei, sabia que a arca não existia
Eu fiquei a ver voando a Águia o Condor
Olhando a cadelinha vendo se cão havia
Admirando as viravoltas do beija-flor
 
UFO.. cheguei desconhecido e brilhante
Quis ver as cores maravilhosas da borboleta
Não quis ser girafa, tigresa ou elefante
Amigos da arca, não acredito nessa treta
 
Admirei o gato o rato a vaca o boi  e o Leão
Dinossauro  e a baleia destroçaram a arca
Todos os outros ficaram em terra por opção
Ficou apenas o homem de mente, fraca
 
Assim nasceu uma lenda que não tem fim
Não mencionado brancos pretos e amarelos
Insetos de todos os feitios flores e jardim
Frutos maravilhosos, das mulheres marmelos
 
Eu UFO ando de planeta em estrela a voar
Escrevendo poemas que me dá a mente
Nestes poucos dias que aqui me deixam ficar
Quero brincar dança  cantar viver contente
 
armando.sousa@sympatico.ca

12- Deus e Noé
Margaret Pelicano

E a serpente sedutora e bela,
destilou seu gostoso veneno
sobre a magnífica Eva
que desfilava sobre o olhar cúpido de Adão.
Dalí, nasceram Caim e Abel
circundando a Terra desse anel
que se chama amor e proliferação.
Segundo a lenda Bíblica, o mundo já formado,
precisava ser povoado
com trabalho, dignidade
e muita aceitação....
Mas o ser humano,
sempre problemático,
amava e desamava,
traía e se acostumava,
sentindo o prazer no engodo, na traição!
E a coitada da serpente,
mais um dos seres da criação,
levou a fama de má,
simplesmente por estar perto
do homem e de sua imaginação.
 
II
 
O tempo ia passando,
e, Deus cansado
da humana iniqüidade,
colocou em Noé o gosto pela amizade,
com todos os seres da Natureza.
E, um dia avisou:
- Coloque Noé, no barco que constróes para emergências
um casal de cada espécie!
Vou provocar um dilúvio
e haverá conseqüências!
- Como o homem é mal,
poderá ser quase extinto...
mas não o animal.
- Este é ingênuo e puro!
- Não mata sua espécie,
pelo contrário a protege, é um augúrio!
- Ama seus filhotes e amamenta
a sua e outra prole.
- Trarei a possibilidade
de uma cachorra amamentar uma onça
e vice-versa;
- Uma índia amamentar um porco do mato,
por que não?!
- Com o animal o homem vai aprender a ser bom!
- Sim, isso é de bom tom!
-Portanto Noé, salve o mundo!
Deixarei a você os cuidados com minhas invenções!
- E depois da limpeza do planeta,
espero ver seu barco
aportar na lama preta
das maldades,
ver o mundo renascer
e de novo acontecer!

Brasília - 13/09/2005

13- Pássaro Pequeno
Nelim Monti

Sou pássaro pequeno
Não ensinaram-me voar...
Mas....nas alturas gostaria de estar

Alturas são apenas sonhos...
Sonhadora que sou.

Vivo a viajar
através do céu azul
pelas nuvens brancas
Me vejo voando...
lado a lado com os pássaros 
ao lado das estrelas.

Perdida, voando,
planando...
Olhando para você que está acima
do que eu poderia sonhar. 
E...nesses devaneios
Acordo,
choro...

Através das minhas lágrimas
posso vê-lo acenando ao longe,
Bem longe...
Nas alturas.

Mas chegará o dia em que
o pássaro pequeno
terá que sair do ninho
E...vai machucar-se

Mas....
Preciso voar
tenho que arriscar-me....
Se não nunca
aprenderei a voar...
E serei sempre um pássaro
pequeno triste a cantar

Cajuru, 13/07/2003

14- A Fantástica Viagem
Mário Osny Rosa
 
Na arca de Noé,
Só tinha gente boa.
Até lá estava o Zé,
Quem diria tal loa.
 
E toda a bicharada,
Que estava comportada.
Lá estava a filharada,
Sim estava bem afinada.
 
Quarenta dias,
Quarenta noites.
Foi aquela agonia,
Quem sabia o dia.
 
Noé solta uma rola,
Queria saber noticia.
Trás ramo de oliveira,
A terra está a vista.
 
Logo encontraria a pista,
Para a arca ancorar.
E a carga descarregar,
Foi uma grande conquista.
 
São José, 13 de setembro de 2.005.
morja@intergate.com.br
www.mario.poetasadvogados.com.br

15- Gaivota da Paz
Maria Anjinha

Sou uma Gaivota.
Vou sobrevoar mar, rios, colinas
levando em meu coração a Paz
e a União.
Quero chegar ao cume da montanha
e espalhar pelo infinito o Amor
para toda a raça humana.

Vou carregar o meu anel cintilante,
com a luz especial, para envolver
todo o Universo com o seu brilho
e nosso elo de Amor!

Voarei, Voarei, bem alto...
Vou sentir o vento que passa pelas
minhas penas, para levar a
alegria aos Céus de minha'alma,
e toda a minha Paz interior,
para a eternidade encantar.

mar.araruama@uol.com.br
http://www.recantodossonhos.com/
Araruama_13/09/2005

16- O Príncipe
Machado de Carlos

— Quem tu és? – indagou o príncipe – distante...
De onde vieste? Dos confins do espaço?
Tua plumagem macia é brilhante,
E as tuas garras são feitas de puro aço!

— Sou uma raposa, príncipe elegante;
Não posso te conhecer. Cria laços,
Não me cativaram ainda, infante;
E estou a disputar ares com sanhaços!...

— Ah!... Desculpe-me. O que é cativar?
E o que tu procuras neste lugar?
Estás à procura de amigos?!

— Cativar significa criar laços,
que começam com um simples abraço.
Se acontecer... sempre estarei contigo!...

... O príncipe cativou a raposa sombria;
Na partida ela disse com brandura:
— Ah! Vou chorar, minha alma pura,
Não queria o teu mal nesta noite fria!...

— Tu quiseste e eu te amei com maestria.
— Mas vais chorar nesta tortura?
— De nada lucrarás nesta ventura -,
Disse o príncipe com olhos que ardiam.

— Lucro, disse a raposa tristemente -,
Ah! Essa separação desditosa!
Não sei se viverei neste tormento!...

... Para lembrar de ti, verei uma rosa,
Contemplarei o trigo, como alento;
... Enfeitarei as tardes tão ditosas.

Ribeirão Preto, 28 de dezembro de 2002_20h30 min.
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=473
http://ilove.terra.com.br/autores/TEXTO.ASP?idpi=474

17- Jeito de Sentir e Ser
*Emiele*

Um dia um colibri me segredou que se nele bem fitasse,
veria algo que a você iguala.
E antes que lhe perguntasse: Como? Em quê?
Não quis saber da minha fala
e pra longe ele voou...
Desde então, quando sobre as flores sobrevoando o vejo,
pulsa mais acelerado meu esperançoso coração...
E me vem logo o desejo
de lhe fazer a mesma pergunta:
Oh, colibri, responda-me, por favor!
Como posso na sua figura frágil ver o meu amor ?!
E ele num rufar de asas segue indiferente.
Ruma em direção a outros jardins
para sugar o mel de cada flor.

Olho ensimesmada... E meio encabulada
brota lá no fundo a resposta e nela percebo a semelhança...
Você está presente no meu jeito de pensar e ser.
No jeito de expressar o meu querer.
Jeito mesmo só de quem sabe tirar e dar de si
sem nenhuma troca, o sentimento de maior beleza
que aufere aos amantes título de nobreza.
E tal como o matiz do colibri
que encanta a todos no seu vai-e-vem,
encanta a todo aquele que o tem.
Ah, o Amor...
Este amor imenso que eu sinto!
E pra ninguém eu minto.

Belo Horizonte, 10/12/2003 - 9:50hs

18- Como uma Doce Cadelinha
Rejane Pino

Assim como uma cadelinha,
acompanho teus passos com meu olhar.
Quero-te de todas as formas,
mas gosto mais quando está feliz,
porque assim podemos brincar,
mergulhar rolar na grama,
e sairmos correndo
para um bom banho relaxante
E eu aos teus pés ou mesmo no sofá,
fico sentindo tuas mãos a me fazer
carinho enquanto vês um filme na TV.

Quando sais e não me deixa ir, fico
desolada e pensando que não vais voltar.
Mas quando chega àquela hora,
me dá uma imensa felicidade,
sei que vais chegar e não vais demorar
pois estou te sentindo, e quando chegas, é
só alegria, não consigo me conter de tanta
felicidade.
Assim como uma doce cadelinha
eu te amo incondicionalmente
porque sem ti não saberia mais
como viver.

Miguel Pereira-RJ_13/09/2005

19- Fenix
gina

Ave mítica
que se transforma,
renasce das cinzas,
revive...
Como a fenix
desejo ser!
Eterna primavera
que se renova,
zomba das dores,
alça-se nos mais altos vôos
e nada teme,
pois sabe de sua imortalidade!

No calor do fogo,
purifica-se,
livra-se dos temores,
dos ódios,
ressentimentos
e rancores.
Despida dos males
ressurge mais forte
mais pura
e mais bela
para um novo ciclo...
Nova aventura!

14 de setembro de 2005
Rio de Janeiro

20- Uma Leoa Serei
Natália Vale
 
Uma Leoa vou ser
E na tua barca entrar,
Não com garras de temer,
Mas para todos acarinhar.
 
Leoa  de cor terrena,
Saudades deixo ao partir
Numa barca tão serena,
Mas que nos permite fugir.
 
Fugir de tantas questões,
Que agora se nos deparam,
E alegrar os corações
Daqueles que nesta barca viajam.
 
Nesta Arca de Noé tão poética
Encontraremos certamente
Alegria, risos e fraternidade
Que relembraremos eternamente
Com amor e amizade.
 
Portugal
14/09/2005

21- Sou uma gata ...
Thereza Mattos

Sim, tenho todo jeito de felina
um pouco manhosa,
muito feminina
um tanto preguiçosa
vivo a ronronar
para as pessoas cativar...

As vezes faço pirraça
tentando do amor me esquivar
gosto de ser caçadora
para poder me alimentar
e nunca  ser a caça
fugindo de tudo e de todos
para ninguém me pegar...

Sou altiva e orgulhosa
não peço carinho a ninguém
me sinto muito poderosa
sei retribuir amor também
assim ao meu dono sou fiel
chego até o adorar
dou meus beijinhos de mel
para mostrar o que é amar....

http://planeta.terra.com.br/arte/magiaepoesia

22- Quero te amar
faffi_(Silvia Giovatto)

Um dia um beija-flor passou por mim,
esvoaçante  passarinho, perfumando o ar
pousou na flor ... e com uma linda borboleta
dividiu o néctar que ali achou...
Fiquei feliz, admirando  aquele gesto de carinho...
E como o beija-flor, quis  com você
dividir o néctar do meu amor....

Não sei voar como o passarinho
nem borboletear como aquela linda
borboleta dourada...
Mas posso ser como aquela flor...
te deixar provar do meu néctar
e te amar, como ninguém te amou...

06/01/2004

23- Pomba Amiga
Sueli do Espirito Santo

como pomba fixar minha morada
na mais bela árvore da praça
bem próximo da passarada
ouvir seus cantos e entrar em estado de graça

no decorrer do manhã, longe voar
conhecer outras aves, outros lugares
no espaço com elas só  passear
respirando o melhor dos ares

depois voltar para a minha arvorezinha
e no jardim fazer uma boa limpeza
exterminado todas as ervas daninhas
para só mostrar a sua beleza

para os meus especiais convidados
que toda tarde passam prá me visitar
homens e mulheres já aposentados
que podem agora o descanso desfrutar

http://www.sue2001.recantodasletras.com.br

24- O Pato Patusquela
Jorge Linhaça
 
La vai o pato patusquela
Olha como anda engraçado
Vai correndo comer quirera
Depois no lago praticar nado
 
Quando  era ainda um patinho
Andava atras da dona pata
Ele era lindo e tão amarelinho
Como o sol rompendo na mata
 
Foi crescendo o patusquela
Assim meio desengonçado
Qualquer dia vai para a panela
Vai virar um pato assado

25- Sou Loba
Tânia Ailene

Sou fera, não domada
serei dócil, frágil, valente, amiga.
Perco a cabeça
limpo a cria.
Por você sou cão de caça
brinco com a vida
tenho carinhos, te cuido
me animalizo, te guardo.
Amizade velada, quero abrigo
confiança, respeito, não abro mão
Nada peço, só espero.
Só por você brigo como uma loba
junto cacos, abraço mundo
desfaço laços, abandono sonhos.
Vivo seu universo
quero carregar comigo
sempre a imagem, contida, trancada
e ser para você sempre a mão que te afaga.
Esqueço o que sou, o que fui
Atravesso muralhas.
não importa a indiferença nunca
estarei a seu lado enquanto me quiseres.
Sou este sentimento animal
que nada pede e tudo dá.
Sempre vamos superar com sinais
a cada dia um recomeço.
Sou loba!

Rio de Janeiro_14/09/2005

26- Passagem
Marise Ribeiro
 
Senti que havia um pássaro
adormecido dentro de mim.
E as asas que eu não possuía,
nasciam enfim.
Pena a pena, cor a cor.
Tornaram-se prontas.
Prontas para que?
Que pássaro seria eu?
Uma águia poderosa e caçadora,
espreitando suas presas
dos rochedos escarpados?
Ou um canário, com seu canto mavioso
anunciando a primavera?
Ou mesmo com as penas nascidas,
seria apenas uma ave que não voa?
Bati fraca e timidamente,
minhas asas virgens.
Fui dominando meus medos.
Senti-me levitando, subindo, subindo.
Parei no ar e minhas asas,
como num frenesi,
batiam aceleradamente.
Foi então que descobri,
que nasci um colibri!
 
04/04/05

27- Fera Ferida
João de Assis

Sou fera ferida...
Busco o silêncio da mata...
Busco a solidão da floresta...
Busco... curar minha sandice...

Sou macho machucado...
No ar percebo o seu cheiro,
o cheiro do amor...
da minha fêmea  no cio,
que pra longe se furtou...

Que espera de mim?...
Debalde, suspiro e sonho...
Recolho as migalhas
de tudo que fomos,
e que a distância não
conseguiu separar...

E nas noites de lua cheia,
solto uivos de dor...
enquanto meu peito
se queima nas brasas
da paixão sufocada...

Cruzeiro

28- Bicho Solto
Marcos Milhazes***

Um coração fugiu disfarçado.
Talvez na forma de um cão raivoso.
Talvez na quietude de uma pomba branca.
Talvez na altivez do vôo da águia.
Talvez na forma de um camaleão e seus truques de cores.

Bem.

Esta por ai sob qualquer forma.
Solto a deriva, com fome de vida ávido de sentimentos.
Sedento de paixão.
Pode estar fugindo ou procurando ideais.
Mas se atentem.
Se fores uma boa caçadora
ou um experiente caçador.

Um palpite.
Usem armadilhas isentas de subterfúgios,
construídas só de verdades.
Poderão ter uma chance.
Portanto coragem nessa empreitada.
Boa sorte.
Vão a caça.

Tentem conquistar a confiança do bicho...

29- Como uma Tartaruga
Naidaterra

Lentamente caminhando sigo em
direção ao chamado.
Nada deixarei nesta era, que fique
oculto...no meu casco estão gravados
fatos de um tempo difícil, batalhas,
vitórias e derrotas, leis, símbolos,
toda alquimia de um tempo e de todas
as crenças. Há fórmulas de
grandes sábios, textos proféticos
e as chaves que abrem a porta
dos céus e das trevas.
Ainda no caminho, olho
ao redor e vislumbro o belo
que ainda está vivo e lamento a
destruição de toda uma linhagem
tão variada...vou, e meus passos
ficam mais lentos, carrego
no casco antigo as
dores e as tragédias de
uma época que se apagará.
Noutro lugar, um dia quando
as águas baixarem, será outra
terra...que farão dela!...não sei...
Se meu casco é um livro eterno
e infinito, que haja por bem  aquele
que destruiu e construiu que faça surgir
enfim, uma raça que possa
decifrar e ler os códigos, ou então,
da-me o dom da fala.

14/09/2005

30- Minha “Arca de Noé”
Joyce – Lu@zul

Minha “Arca de Noé” era bela
Com muitos animais viajei nela.
Havia papagaio, gato, cão...
Coelho e outros de estimação.
 
A “Arca” na água não navegava.
Nela havia rodas...rodava,
Levando minhas crianças felizes.
Na vida eram apenas aprendizes.
 
Na “Arca” havia bolas e bonecas
E também cinco crianças sapecas
Havia muito riso...às vezes choro,
 
Eu cantava com elas em coro.
E a “Arca de Noé” seu caminho seguia
Hoje percebo...que era feliz e não sabia! 
 
Balneário Camboriu.
15 de setembro de 2005-02:42

31- Como Gaivotas...
Maria Thereza Neves

vagueia-me o corpo
na leveza do voar das gaivotas
nas ondas em mil ondas
até a medula das estrelas
na poupa dos poemas
abrindo-me em conchas
no azul dos contrastes
espalhando letras
em grãos de areia...

32- Mariposa sonriente soy
© Noris Roberts

Bajo el reflejo del sol
pregono al viento
lo que siente mi corazón.
Mariposa sonriente
que revolotea de flor en flor
y en cada ala llevo colgada
una guirnalda de amor.
Vuelo, vibro y ardo en pasión
llevando en mi vuelo
el canto del ruiseñor.
Jugando con el rocío
evaporando la melancolía
siempre amanece mi día.
Verso reverdecido.
Voces que se levantan con sonido.
Imponente y grácil
se mecen mis alas
cuando estoy junto a ti.
Concierto en tremolino
despierta mi vuelo
por el infinito cielo
y coqueteando en el jardín
siempre se me ve sonreir.

33- Angel
Eliane Gonçalves***

Minha linda e adorável Ximiu
Inteligente e companheira de doninha
Nas madrugadas de trabalho afio
Horas e horas você estava ao meu lado.
Até o último momento era minha fiel escudeira

Durante anos estivemos juntas
O seu cantinho era sagrado e limpinho
Com inteligência e prudência andava pela casa
E seu TUM ...TUM não dispensava

Ah! Quantas saudades sentiremos de você
No entanto, a vida é assim mesmo
Gato também morre, sabia?
E precisamos nos conformar
Little e Penélope precisam agora de nós.
 
(Poema  que escrevi pra minha filha
quando a sua gatinha Angel morreu)

34- Noé e o Grande Dilúvio
Valeriano Luiz da Silva
 
Com o tempo, os descendentes de Adão e Eva...
Começaram a povoar a terra
A maldade cedo iniciou
Caim com ira seu irmão Abel matou
 
O gênero humano se degenerou
Até que só um homem justo Deus encontrou
A Noé Deus falou...
Vou acabar com este mundo pecador
 
Deus anunciou o fim da humanidade
Pois era grande a maldade
E o justo Noé em Deus creu
Por isso não pereceu
 
Faça uma arca de madeira Deus mandou
E Noé por dentro e por fora a betumou
Quando a arca ficou acabada
Outra ordem de Deus foi dada
 
Na arca Deus mandou Noé e a família entrar
E também os casais de animais foram pra lá
Certamente Deus disse... Noé fez tudo que mandei,,,
Ainda falou coloque na arca sete pares dos animais que santifiquei
 
Que o fim da humanidade estava chegado
Noé nunca tinha duvidado
Com ferramenta rude a madeira ele cortava
E a salvação do homem ele anunciava
 
Sempre avisava quem não honrar a Deus vai morrer
Mas o povo preferia zombar do que em suas palavras crer
Porém chegou o momento que Noé e a família na arca entraram
E a porta por fora Deus lacrara
 
Com a subida da água, a arca começou a flutuar.
Choveram quarenta dias sem parar
Finalmente, a água cobriu tudo que havia na terra,
Incluindo os montes, as montanhas e serras...
 
Todos os seres vivos morreram.
Pela dureza dos homens até os animais pereceram
Durante cento e cinqüenta dias
A água não diminuía
 
Mas nem Noé e sua família
Assim como as animais não pereciam
Primeiro Noé soltou um corvo que vou, vou e não retornou,
Mas quando soltou uma pomba, com um ramo de oliveira ela voltou...
 
Nas montanhas de Ararate a arca pousou
E as plantas começaram a crescer com vigor
Noé e os animais saíram da arca porque Deus mandou
Noé construiu um altar e ofereceu sacrifícios ao Senhor
 
Deus abençoou Noé e seus filhos mandando lhes multiplicar
Dizendo que das plantas e dos animais poderiam se alimentar
“Quem matar outro ser humano deverá ser morto, pois Deus fará cobrança
Porque Ele fez o homem à sua imagem e semelhança”.
 
E com Noé Deus fez uma grande aliança
Que perpetuaria por toda sua herança
Disse o Senhor esta promessa vai ser selada com um arco nos céus
Sempre que chover, o arco-íris fará lembrar da promessa de Deus.
 
Anápolis Go, 16/09/05
valerianols@globo.com
www.albumdepoeta.com

35- Liberdade
Célia Jardim
 
Eu sou assim,
um pássaro livre, voando nas nuvens,
sem prisões e sem fronteiras,
alço meu vôo, vou por onde quero,
nas nuvens não existem barreiras...
Eu sou assim,
cheia de sonhos, fantasias,
mas prisioneira que sou,
cortam minhas asas,
tentam limitar meu vôo...
Mas eu sou assim,
e ainda que em gaiolas me prendam,
não me impedirão de cantar,
mesmo que limitem meu espaço,
sempre me sentirei livre para voar...

36- Pombinha Branca
Maria Augusta Christo de Gouvêa

Alva como uma pluma
esvoaçante
sair pelo espaço
levando a mensagem do amor.

Leve como folha ao vento
falando de renovação
deslisar pelo chão
sabendo do destino reservado.

Plumagem solta
arrepiada
pelo vento do alto
deixando-se levar pelo destino.

Pombinha branca
guardando na imagem
sonhos de homens esperançosos
com sua asas angelicais.

14/09/2005

37- Alma de Águila 
Alfonsina Pais
 
Despliego mis alas, sé donde debo ir
un último adiós al paisaje, es hora de partir.
 
Ha llegado el momento de renovación
me guardaré por un tiempo, es mi decisión.
Cambiaré todas mis plumas, en la cola las mejores,
un nuevo pico tendré, las garras bien afilaré.
Meditaré en silencio, no apresuraré la etapa
para dejar lo que ya no es útil, para limpiar el alma,
alivianando el peso será más elegante el vuelo
seré nuevamente yo pero ahora de reestreno.
Entonces podré vivir lo que me queda por resto
con la ventaja que me da la experiencia
esa, que sí guardará la conciencia.
El nuevo trecho será la gran oportunidad
que la vida me ofrece, no la voy a desperdiciar!
 
Orgullosa estoy de ser águila madura
ahora el vivir no se apura
se disfruta sorbo a sorbo
no se desperdicia el instante
se mira siempre adelante
… y se muestra el mejor vuelo
seduciendo así, a un bello compañero!
Ya sabemos bien los dos
que es en realidad lo que queremos.

38- Crisálida
Yara Nazaré

Tenho todo o meu tempo
Para amar e alegrar
Tenho a coragem guerreira
Para lutar e vencer!
Mas descubro a cada dia...
Sou pequena no medo
Da insensatez do mundo.
Escondo-me no meu casulo
Tal qual bicho-da-seda ferido
E quando desperto descubro
No vínculo da amizade
Que a ternura existe sim
Em muitos corações.
Sorrindo viro uma crisálida
Em novo vôo para a vida!
A palavra doce me encanta
Faz a tristeza superar
Deleita a minh'alma
Com sementes de alegria
Da mais renovada energia
De poder continuar.

26/09/03

39- Corujinha...
zuleika

Ser coruja...
Viver na mata escura
Ver da lua o prateado
Nos galhos entreleçados
Soltar seu canto...um piado...

Corujinha...mal falada !
Dizem , "trás mal agouro"...
Corujinha, encantada..
Tens contigo da sabedoria, o ouro...

Corujinha, Corujinha...
Pro clarear ainda há tempo...
Fica comigo , amiga,
Somos iguais...não tenhas medo,
No mesmo piado...um lamento...

Enxergas na escuridão,
A noite é tua morada...
Eu guardo no coração,
A magia enluarada...
De uma noite apaixonada...

40- Sou o Delfim!
Maria Mercedes Paiva

Quando o dilúvio
igualou em água terra e mar,
vi que só a Arca-de-Noé não soçobrou.
Dela me aproximei bem devagar
e ver essa magia, me encantou !

Então pude sentir certo receio
naqueles seres que vagavam ao sabor
das ondas, tempestades, trovoadas,
levando aquela barca em furor,
causando grande alarde em seu meio.

E, eu que sempre fui bom nadador,
perdi também controle dos meus nados
e fui também lançado ao dissabor.

Mas sempre que a chuva amainava
tornava a abeirar-me do viajor,
a emergir das águas meu semblante
com risos, piruetas, grandes saltos...
fazendo minhas graças, procurava
redespertar ali, o bom humor!

Enquanto aquela arca resistia,
eu pude acompanhá-la dia por dia,
travando com os homens amizade
a ensinar-lhes o que é o amor,
que pode existir de parte a parte,
num clima de respeito e amenidade,
nos laços que pra mim têm mais valor.

E foi assim ...
Foi ali, na tempestade
que conheci a humana raça,
e fiz surgir em nós a amizade,
com meu sorriso...
com meu amor...
com minha graça...
Sou o Delfim!...

41- Como a Pomba
Maria da Fonseca
 
Como a pomba que tu vês,
Toda de branco vestida,
Matando a sede, elegante,
No regato da Avenida.
 
Sua cauda, armada em leque,
Tem formosa pena preta.
Tu sabes que é sempre a mesma,
Linda pomba lisboeta.
 
Por perto um pombo arrulha,
Atento, enamorado,
Mas, retira-se a pomba,
Sem olhar o apaixonado.
 
Ontem o pombo atrasou-se
E a pomba branca, nervosa,
Dum lado, andava, prò outro,
Inquieta, receosa.
 
Tal e qual, quando não vejo
Meu amor perto de mim,
A pomba olhava ao longe,
Procurando-o no jardim!

42- Como uma gaivota
Ilona Bastos
 
Como uma gaivota
Só quero voar
Só quero viver
Só quero subir
Expandir minhas asas
Erguer meu olhar
Partir!
 
Elevar-me no ar
Pairar sobre a praia
Lançar-me no azul
Vogar pelas nuvens
Planar!
 
Voltear ao vento
Seguir as correntes
Ascender mais alto
Mergulhar a pique
Livre!
 
E cheirar o mar
Deslizar nas ondas
Tocando na espuma
Em voo planado
Voltar!
 
Das rochas largar
As asas bater
Voando, gritar
Na tarde tranquila
Viver!
 
Lisboa, 15 de Setembro de 2005
http://geocities.yahoo.com.br/ibbaptista

43- Se Um Leão eu Fosse!
Bernardino Matos

Quando Deus solicitou a Noé que fabricasse
uma Arca imensa, segura e muito resistente,
e que nela um casal de cada espécie abrigasse,
uma curiosidade invade e povoa minha mente.
 
Consideramos os animais ferozes e agressivos,
invade-nos o pavor do que poderá nos acontecer,
no entretanto Deus não os considerou nocivos,
Ele quis preservá-los para sua obra enaltecer.
 
Essa passagem bíblica para mim é maravilhosa,
pelo fato de minha grande paixão por animais,
ela torna minha convicção verdadeira, vitoriosa,
dos animais recebemos, dia a dia, lições vitais,
 
Se num deles eu tivesse a sorte de me transformar,
para participar daquela missão de continuidade,
eu escolheria ser um Leão, não para poder dominar,
mas para unir sua força, sua destreza e sua habilidade.
 
Eu usaria a força para enfrentar os embates da vida,
para não temer os desafios e confiar mais em mim,
não para subjugar, mas para ter sempre a medida,
a dose certa nas horas incertas, eu viveria feliz assim.
 
A sabedoria consiste em não utilizar a força, o poder,
para conseguir a aquiescência ou o apoio de alguém,
mas em ouvir, sentir, ser aceito, amar, compreender,
sem nada impor, evitar agredir a dignidade também.
 
Quando só se consegue ser ouvido pela intimidação,
em decorrência de se ter a força, a posição e o poder,
revela um fragilidade tamanha, que me dá compaixão,
não se conquista nada se sempre a ameaça prevalecer.
 
Na minha atividade docente, quando um professor,
recorre à ameaça da reprovação para, então, ser ouvido,
não está conseguindo educar, nem sendo um interlocutor,
que demonstre sabedoria, clareando o desconhecido.
 
Com destreza, perspicácia, inteligência, pode-se chegar,
aos mais obscuros recônditos da alma de cada criatura,
para com habilidade, com serenidade, fazê-la enxergar,
que o poder, o domínio, emanam do amor e da ternura.
 
Um Leão dócil é denominado de manso, foi subjugado,
através da força, do chicote, de pancadas, de ameaças,
pelo temor que se tem de sua reação ao ser  desafiado,
a aproximação é feita , muitas vezes, através de trapaças.
 
Eu imagino como seria alegre e harmonioso naquela arca,
o espaço reservados aos animais, aves e passarinhos,
haveria uma orquestra sinfônica que a alma encharca,
pela leveza, pela harmonia, pela tonalidade dos carinhos.
 
O visual seria esplendoroso, pela variedade de cores,
pela perfeição das plumagens desenhadas pelo Criador,
desde o beija-flor até a águia, assim como os amores,
as manifestações são diversas, mas querem fugir da dor.
 
Os animais habilidosos, que nos circos nos impressionam,
quando reproduzem nossos atos  demonstram inteligência,
logo depois seus hábitos considerados normais retomam,
mas eles só usam a força para proteção e sobrevivência.
 
Nós usamos a força do leão, sua destreza e sua habilidade,
para a destruição, para subjugarmos outros seres humanos,
somos capazes de, com frieza, praticarmos toda maldade,
e nos consideramos animais racionais apesar dos desenganos;
 
Essa idéia da Arca de Noé foi muito feliz e a ela me integro,
ficarei sempre perto da Coruja, para sugar sua sabedoria,
terei a força, a leveza, a versatilidade de uma ripa de cedro,
mais uma vez me sentirei feliz , eu faria uma bela cantoria.
 
Fortaleza, 18 de setembro de 2005.

44- Como um pássaro
Graça Ribeiro

Embarco nesta Arca de Nóe na pele de pássaro,
tendo como sonho a amplidão do vôo no azul
onde o céu sem nuvens seja o reflexo da paz.

Embarco com o desejo de um pássaro
que canta uma canção de fraternidade
e amizade entre  todos os povos

Embarco com a sensibilidade do poeta
que procura em seus versos doar carinho
para abraçar outros sonhares-passarinhos

Embarco nesta Arca de Noé para divulgar
o objetivo da vida dos pássaros:

Cantar a liberdade de voar

45- Águia da Liberdade
Schyrlei Pinheiro

Estou cansada
de, como folha seca,
voar sem rumo,
ciscando areia no deserto,
sem encontrar
o grão do trigo
que me alimente
no meu abrigo,
e fortaleça os meus sonhos
de, livre, poder manter
o ninho de paz.
Nas idas e vindas do destino,
nenhum trabalho satisfaz;
abrimos covas
na terra negra,
enterramos viva,
a ilusão que aqui jaz.

46- Como Gata
Célia Lamounier

Sou sua fera de unhas
vermelhas, afiadas
onça, gata, águia...
Minhas mãos
que dançam quando falo
no dizer de sei lá quem
vão bafejar arrepio
deslizando docemente
sobre seu corpo
que vem se chegando
arredio.

Vou lhe dar carinho
quente, devagar
onça, gata águia...
Minhas mãos
entreolhando o vazio
seu coração transbordar
irão só pouco e pouco
deslizando ternamente
em compasso tempo-corpo
se ganhando
louco

47- As Borboletas Estão de Volta
Eda Carneiro da Rocha

Comprei-as todas, num ato de Amor.
Recebi-as em profusão e voam,
no céu de minh'alma!

E, se volveres teus olhos, as verás,
de todas as cores, nos prados a voar,
saltitam, como grilinhos.
Beijam as Rosas e os Beija-Flores
as beijam!

As Borboletas voltaram e com elas,
todo o meu Amor, pois quem não as ama,
não sabe, não conhece o que é o Amor!

Sim, pois onde há borboletas,
há sempre beija-flores,
fazendo uma nuvem multicor,
um Arco-Íris, para deixá-las passar.

O Amor saltita, como elas.
corre pelos prados, como elas,
enfeita a nossa vida, como elas,
e, como elas nos dá a mágica,
a química do nosso viver!

Sim, eu as comprei,
com todo o soldo que tinha
e as coloquei a voar,
e as verás, como nuvem de ilusão,
agora, diante de ti.

Mil Borboletas,
Borboletas Multicores,
para alegrar a tua alma,
pois elas não podem morrer,
elas nos dão a vida,
um delicioso bailado
que nada mais é
que o Nosso Amor!

Araruama_19/09/05
www.albumpoeticoeda.com.br

48- !!!
Fatyly

Recebi o seu chamado
num apelo à sobrevivência
por ser um simples galo
acordo com frequência!

Não faz mal podes entrar
com a tua digna galinha
vamos todos embarcar
vem aí muita chuvinha!

Mas eu sou o mais depenado
de todos os que por lá havia
talvez até o mais fraquinho
porque fui eu o escolhido?

Há perguntas sem resposta
não sou eu que vou julgar
feio e fraco pouco importa!
soubestes repartir e amar!

Eu nasci assim e assim serei
mas tenho pena dos que ficam
olhe Noé ainda não embarquei
vou fazer algo a ver se mudam!

Lás estás tu galo depenado
embarca tu e larga os outros
já fizestes muito no mundo
deixa  ficar os monstros!

Ainda tenho algum tempinho
nada como tentar e ajudar
hoje estou bem acordadinho
amanhã  posso não cantar!

19/09/2004

49- Ser Camelo
Pilar Casagrande

Entre as dunas, caminho, absorta, indiferente.
Fiquei com a humildade da contrição:
Ajoelho-me sempre, na atitude de uma reza,
Com a ternura de uma ovelha.
Meiga e compassiva, recebo genuflexa,
No dorso de caracol, a graça
Do corpo lânguido das odaliscas.
Levanto-me com toda a carga e sigo,
Aos tropeços, mas resignada,
Sob o ardor de um céu que abrasa,
Sobre o braseiro do areal que arde!
Ajoelho-me sempre, talvez na súplica
Para voltar à sombra da palmeira onde nasci...
O meu destino é o deserto.
Meus passos na areia têm ruídos leves
De sandálias no silêncio de uma cela.
Toda a minha vida é um escalar de dunas,
Entre as quais repousarei um dia,
Na derradeira caminhada, sedenta,
Distante das linfas claras dos oásis...

Rio Claro / SP

50- Eu e a coruja ...
Regina Ribeiro

Ah... se eu corujinha fosse,
para mim nada iria mudar:
minha família continuaria a mais linda do mundo,
independente de como fossem;
eu continuaria odiando gaiolas, muros, prisões e amando a liberdade;
a noite continuaria sendo o melhor momento para permanecer alerta
e comida somente serviria para a fome saciar.
E de quebra, eu continuaria protegendo a tudo
e a todos dos males que afligem nossas almas,
independente de onde viessem e de quem fossem.
Todos teriam seus valores reconhecidos
e o amor imperaria em qualquer decisão.

www.corujando.com.br

51- Como O PREGUIÇA
Faiçal Tannus 
 
Vagarosamente caminho  pela estrada
Outros, mais apressados,vão passando por mim...
porque tanta pressa, gente atropelada,
se na Arca de Deus cabe gente assim?
 
Nunca fui afoito, meu andar é pausado
olho  para a Arca, lá longe atracada
Sei bem que a distância é “mil passos dados”
Mas a salvação tem  portas escancaradas...
 
Preguiça, tartaruga, até o  veloz guepardo
Não  precisam empreender mais que a minha pressa:
A arca não partirá sem o piso lotado
Ela é revelação  da “palavra promessa”!
 
Pobre  de  quem   procura o  local onde  jaz
A Arca é mensagem para nossa  fé
navegando no peito daquele,  capaz
De ser na vida, um verdadeiro  NOÉ...

Araxá MG

52- Sou o Sabiá
Tarcísio R. Costa

Sou o sabiá
Gosto das matas... da natureza,
Do mundo livre... Da liberdade,
Da beleza...

O meu cantar é canoro.
O meu canto no entardecer,
Mexe com a saudade...

Na hora da Ave Maria,
Levo o meu canto canoro,
de encanto e nostalgia...

Meu cantar sem alegria,
Toca nos corações apaixonados,
Eu sou o saudoso sabiá,
Fonte de poesia...

53- Sou Mariposa
Vyrena

Como uma mariposa
vago por entre luzes
à procura dos olhos teus.

Voando desesperada,
perdida em minhas andanças
queimo as asas e não encontro
o brilho de teu olhar.

Sou mariposa que perambula
e não encontra o que procura.
Partiste e me deixaste
a bater asas em desespero
procurando-te em todas as luzes
que comparadas a teu olhar
tornam-se todas tão obscuras!

54- Sou Uma Formiguinha
Renate Emanuele

Sou como uma formiguinha
Que não para de trabalhar
Mantendo a vida que caminha
Antes mesmo do sol raiar

As mil coisas para eu fazer
Logo vou tomando meu café
Na lida do meu dia com prazer
Começo limpando meu chalé

Tomo meu banho quentinho
Para o trabalho vou correndo
Ganhar mais um dinheirinho
No cofrinho vou poupando

Gosto de minhas companheiras
Eu trabalho alegre e contente
Sempre com muitas brincadeiras
Alegria também de muita gente

Chego em casa coloco chinelo
E ainda acho bastante o que fazer
No entanto sobra mais um tempo
Para mais um prazeroso lazer

E aqui estou na escrivaninha
Poetando assim como eu sou
Uma pequena formiguinha
Que no mundo Deus colocou

atelierbaron@uol.com.br
São Paulo - Brasil

55- Sou Como Um Beija-flor
Thais S Francisco "beijaflor"

Como um beija-flor,
que busca o néctar da vida
beijando amorosamente cada flor,
Eu beijo  deliciosamente os lábios teus,
em busca do mel, que tem teu Amor!..

Como um beija-flor,
que, em busca de sua preferida,
farfalha suas asas, volteando, por entre as flores,
Eu, cruzo céus e mares, flutuando em sonhos meus,
em busca de teus amores!..

Sou como um beija-flor,
pequenino em seu tamanho,
ligeiro tal qual uma flecha no ar,
que em riste, vence qualquer distância,
para, em teus abraços, me aconchegar!..

22/09/05
ts.francisco@uol.com.br

56- Quetzal
Maria Petronilho

"Quetzal

Onda que fugiu do mar
Liberdade em movimento"

(ao ver um documentário que muito me emocionou)

57- Como uma Águia no Céu
nancy pimentel

Quero ser livre,
Selvagem,
Pura,
Como uma águia no céu.
Quero romper  preconceitos
Dizer o que penso,
Sem falso pudor.
Quero um amor verdadeiro
Sem medo,
Sem mágoas.
Quero um momento
Por inteiro,
E nele perder-me por amor.
Quero ganhar vivências
No sofrimento,
Mas gozá-las  na alegria ,
Sem dor.
Quero,
Como um gão de areia
Olhar as estrelas,
E ve-las.
Quero, amando,
Ser amada
Mas livre,
Selvagem,
Pura,
Como uma águia no céu
Altaneira
Feliz...
         
Eu quero...
Eu sou,
Como uma águia no céu,
Livre!

maio/2005

58- Sou um Lobo
Abilio Terra Junior

sou um lobo pachorrento
que coço as orelhas
e me espreguiço
ao por do sol

sou um lobo teimoso
que nem um jumento
que não arredo pé
da minha loba

sou um lobo alfa
que domino minha alcatéia
com meu olhar incisivo
e mantenho meu posto
com destemor pose
e gosto

sou um lobo meloso
que me deixo seduzir
naquelas noites
de lua cheia

em que minha loba
se achega
lambendo meu focinho
com  seu olhar
que é só amor

sou um lobo cônscio
do meu papel
não sou rei
de um bordel

minha alcatéia
segue
leis milenares
ditadas por mim
que herdei
dos meus ancestrais

tudo corre a tempo
e a gosto
na ordem natural
seguida
por todos os lobos

e por isso sei
que sou um membro
eleito
pelo majestoso rei
que comanda
o universo

nada temo
tenho minha alma
em paz
apesar do meu apetite
voraz

sei que respeito
todas as leis
inquebrantáveis
e notáveis
de que só eu sei

Belo Horizonte_22/09/2005
http://abilioterrajunior.portalcen.org/index.htm

59- Queria Ser Ave
Nadir A D’Onofrio
 
Colibri, águia ou falcão
Ir e vir de flor em flor...
Poder voar e pousar aqui e acolá.
Alimentar-me somente do néctar da flor,
Ter meu ninho, revestido de paina,
Entrelaçado em teia de aranha...
 
Se fosse águia ou falcão!
Voaria bem alto, pelo espaço infinito, 
Bailando em espiral...
 
Quero liberdade para voar!
Sentindo a brisa do mar...
Depois poder descansar,
Sobre escarpas e montanhas.
Dormir sob as estrelas,
Ser filha do vento!
Não ter horário para sair ou regressar,
Ter o universo como destino,
E o sol como meu guia...
 
22/09/2005 18:00
Santos/SP

60- Eu Sou A Pomba da Paz
Raquel Caminha_(Lindinha)

Designação comum a todas
as aves columbiformes,
columbídeas, de vôo possante,
bico coberto de cera na base, e granívoras
Meu vôo é possante,
Seguro, procuro pousar onde
está acontecendo discórdia.
Paro, canto suave para fazer
reinar a paz naquele lugar.
Sinto como num passe de mágica
a felicidade voltar.
Minhas penas brancas transmitem paz,
levo harmonia em todos os lugares.
Na Arca de Noé eu fico lá em cima para ver
se tem algum perigo.
Quando algum recado precisam enviar,
sou eu que levo no meu pezinho,
para entregar a qualquer reizinho.
No amor, por muitas vezes fui pombo correio,
levava os recadinhos de amor no meu pezinho.
Quando a dama lia.. hummm beijo tinha,
eu ficava apaixonado, mais nada
podia  dizer.
Se meu patrão descobrisse, me colocava
na panela para ferver.
Sou da paz, não quero briga,
se precisar de mim estou aqui, vou na Arca de Noé
para onde ele quiser.

ternura@secrel.com.br

61- Bom domingo
Laura B. Martins
    
Sou Dona Caracoleta, mui rápida, podem crer.
Vou escrever prá ciranda pois não tenho que fazer.

Sou Dona Caracoleta, embonequei-me a valer.
Pareço uma borboleta sem ter nada que fazer.

Na missa, uma Avé Maria rezei, como deve ser.
É domingo... que alegria! Não há nada pra fazer.

Pintei a casa de novo, ficou toda a condizer.
Passeei por entre o povo... sem nada querer fazer.

Estreei chapéu maluco e tentei bem parecer.
Na praça, bebi um suco para arranjar que fazer.

Pus um sorriso no rosto, para toda a gente ver.
Um ar todo bem disposto de quem não tem que fazer.

Tentei o dia inteirinho namorar, espairecer.
D. Caracol escondeu-se; sem saber o que fazer.

Caiu a noite na aldeia... senti-me desfalecer.
Pensei: - Se calhar, sou feia! Não sei o que hei-de fazer!

Sou rica, de casa às costas; muito para oferecer.
Caracol, de mim não gostas? O que é que eu hei-de fazer?

Mais me vale trabalhar, ver a semana correr
entretida a poetar... Ter, afinal, que fazer!

25/09/2005_Soc. Port. Autores n.º 20958
http://laurabmartins03.blogs.sapo.pt

62- Garça
©Jade Dantas
 
Sou garça,
sou vida e arte.
Sinta nos meus olhos
a luminosidade
de flutuar, no embalo do ar,
quando meus pés bailarinos,
cansados de terra,
buscam nuvens e estrelas
onde os sonhos caminham
e posso bailar, sem sombra
nem rastros.
Sem percalços.
Garça bailarina
em busca um beijo
de pardal.
Sou suavidade
e sou doçura
e meu  desejo
se reflete nas vertentes
por onde espalho o sonho,
sem medos, pelo ar.

25/09/05
http://arabesquedesonhos.blogspot.com

63- Bicho homem-poeta
Regina Sant'Anna

Dos bichos da natureza
mais de um eu serei
De cada um terei a beleza
de cada um o que há de bom
de cada um terei um dom.
Desperto, conforme o dia,
assumindo nova imagem
sendo sagaz e belo tigre
caçador silencioso e veloz
cavalo selvagem e livre
galopando em verde pastagem
cão amigo, leal e fiel
abelha de doce mel
beija-flor bailarino
em vôo maestrino
A ave planando galante
A formiga constante
a cigarra cantante
pirilampo brilhante
elefante de memória quase eterna
serei bicho do ar, do mar e da terra
e dos lendários, ao me transformar,
serei fênix encantada
renascendo para nova jornada
sereia nas águas do mar
para o meu amor encantar
e quando em todos me transmutar
vou viajar em outro universo
criando novas formas no meu verso.
Bicho homem-poeta é assim
Cheio de uma imaginação que não tem fim.

64- Serei Uma Borboleta!
MaséFrota

Bem que gostaria de ter asas !
Vivo sonhando em voar...voar...voar !
Porque não posso voar?
Vivo também à me perguntar...

Voráz é meu desejo  de chegar em
algum lugar...voar seria a solução
por certo , já estaria lá ! em tal lugar !
-sempre o mesmo refrão...

Gostaria de poder flutuar no ar,dividindo o
peso dos sonhos de um lado,a carga de
ilusões do outro...tudo multicolorido,
liberando em todos os espaços..,

Cabe a mim então ...ser uma borboleta,
onde aprisionada na pureza do seu
casulo, em metamorfose ,desprendeu-se de
todos os sentimentos abalados...

Adquiriu  asas que tanto queria,com
dons de voar, e ao ganhar  total liberdade,
explodíu em *beleza*, colorindo lugares por
onde passa...pois parte da beleza de
uma borboleta é sua liberdade.

Rio de Janeiro-RJ
25-09-2005
www.masepoesias.hpgvip.com.br

65- Nova e Acertada Arca de Noé...
Charge em Palavras
Rosa Magaly Guimarães Lucas
Eire
 
O animal é mais esperto
Do que o é o ser humano...
O primeiro guarda, é certo
A lição... O outro é insano...
 
Quando o animal aprendeu
A atacar só se tem fome,
Nosso homem se esqueceu
E mata até o que não come...
 
Acho que devia haver
De Noé uma outra arca...
Já começou a chover,
 
Já está tudo uma fuzarca...
Homem, antônimo de aprender,
Animal, Rei da Comarca...
 
Parem de guerras fazer,
Não haverá mais monarca...
Em Paz vão todos viver!
 
Jacaraípe, Serra, Espírito Santo, 26/09/2005.

 

Voltar ao Menu "Ciranda de Poetas"

Principal

Assinar o Livro de Visitas

 


© Copyright 2005

Santos . SP - Brasil
Todos os direitos reservados aos autores ®.
Não pode ser utilizado sem permissão.