de Tere Penhabe

 

Eu num sô fofoqueira
muito menos faladeira
tudo que escuto e vejo
fica gravado na antena
se me pedem um cordel
inda mais o meu pitel
as letrinhas vêm pra pena.

O que escrevo é aprovado
pela vítima citada
vale dizer, nesse caso
eu fui até intimada
não nego prenda a ninguém
que prenda é mimo do bem
pra quem ama e é amado.

Ando meio cabisbaixa
com coisas que estou vendo
o mundo não é o mesmo
que andará acontecendo?
Diz uma amiga querida
que complico muito a vida
estarei lhe entendendo?

Ela jura de pé junto
que não é nenhum defunto
mas guarda na caixa preta
a alegria do seu mundo.
Que ele se chama Zezinho
manso como um cordeirinho
e do que faz, faz é muito!

Entender não entendi
mas minha maior gastura
que me faz roer a unha
mastigar a dentadura
é que ela me prometeu
que será presente meu
não mereço essa usura.

Diz que fez até coleta
entre amigas e a irmã
para me satisfazer
nesse meu tão doce afã
mas gente, o que é isso
prestará para o serviço
ou será só balangandã?

Tô mesmo é desconsolada
com essa minha precisão
esperei tudo na vida
artéria e até coração
mas juro por todo santo
que me sirva de adianto
isso é muita frustração!

Quero sim mas morto não
antes disso acontecer
viro freira, mãe-de-santo
mas nunca que eu hei de ver
se calhar peço penico
mas não pago esse mico
do Zezinho um dia eu ter.

Mas se pensam que parou
nisso a bruta confissão
estão sim a se enganar
pois saibam que não foi não
deu também a mesma amiga
(se eu mentir Deus me castiga)
receita em primeira mão.

Afirmou foi com certeza
que lá dos antigamente
de se usar na bunda assada
pomadinha bem decente
hoje ela passa na cara
pra deixar a pele clara
vê se pode, minha gente?!

Tá certo que ela é bonita
de todas ela é a mais bela
rainha do copo cheio
e também da "mortadela"
mas eu não digo quem é
me pergunte quem quiser
que não faço essa esparrela.

Mas tenho cá mi'as reservas
com conselhos dessa dama
pois vira de cu pra cima
desde a bunda até a cama
sou mesmo é tradicional
que não me levem a mal
viúva já tem má fama.

Não que seja puritana
sou até bem avançada
mais esses tais modernismos
me deixam descompensada
homem pra mim tem que ser
preguiçoso como o quê
é sua marca registrada.

Inda pra me convencer
para me deixar de quatro
a sua toalha molhada
e também o seu sapato
meia, cueca e dindin
deixar largado pra mim
em qualquer lugar do quarto.

Não tentem me convencer
se aceita ficar na caixa
quietinho e obediente
escondido da empregada
que se benze quando o vê
não vou nesse trelelê
esse trem não vale nada.

Não mereço esse castigo
peço até a Santo Antão
mais que tudo nessa vida
quero sim é um coração
quem é mesmo minha amiga
me dê uma prenda antiga
pode ser até calçolão.

Também não venham dizer
pr'eu sanar minha vaidade
com o unguento farabuto
que andou noutra paragem
cruz credo, Ave Maria
já pensou se algum dia
esse trem volta da viagem?

Registro aqui meu protesto
mesmo amando as amigas
já sabem o que eu quero
não me venham com intrigas
quero um homem saradão
preguiçoso, mas do bom
de carne, à moda antiga.

 

Tere Penhabe
Santos, 05/01/2007

 

« Formatação a partir de imagem cedida por Sil Saboia

 

 

Menu de Poesias de Cordel

Principal

Assinar o Livro de Visitas

 


© Copyright 2007
por Terezinha A. Penhabe®
Santos . SP - Brasil
Todos os direitos reservados ®.
Não pode ser utilizado sem permissão do autor.